quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Pedro Cafardo: O risco da repetição de um erro de Dilma

- Valor Econômico

Paul Krugman alertou para erros cometidos pelo Brasil em 2015

Talvez o time de economistas do novo governo, com um pouco mais de humildade, devesse olhar para a história recentíssima do imbróglio brasileiro e para fatos do século XX. Arma-se, com o beneplácito quase geral da intelectualidade, um governo Bolsonaro ultraliberal em matéria de política econômica. Isso significa, em resumo, que haverá rigorosa austeridade, corte implacável de gastos, forte contenção de salários e demissão de servidores públicos, além de provável aumento de impostos e crédito oficial absolutamente contido.

A tônica, pelo menos nos primeiros anos do novo governo, deve ser o ajuste fiscal. Incutiu-se no inconsciente coletivo da sociedade brasileira a ideia de que o mais grave problema nacional do século XXI é o déficit público, que deve ser combatido a qualquer preço. É possível até que o próprio presidente eleito, Jair Bolsonaro, não concorde com parte do que se pretende fazer.

Teriam Paulo Guedes, futuro ministro da Economia, e seus assessores lido os alertas de Paul Krugman, o economista americano ganhador do Prêmio Nobel de 2008? Em artigo publicado pelo "New York Times" e depois em entrevista a Felipe Carneiro, de "Veja", ele discorreu sobre "erros" - cometidos pelo Brasil - que alimentaram a crise que ainda não terminou.

Por mais curioso que possa parecer, o time de Guedes está a caminho de repetir equívocos cometidos por Dilma Rousseff (PT) após sua reeleição, em 2014. Durante aquela campanha, na qual superou o adversário Aécio Neves (PSDB) por pequena margem de votos, Dilma garantiu que não haveria arrocho às custas dos mais pobres e que benefícios trabalhistas não seriam reduzidos. "Nem que a vaca tussa" foi a expressão usada por ela para assegurar que não haveria mudanças nas políticas adotadas no primeiro mandato (2011-2014).

Reeleita, Dilma elevou tributo incidente sobre gasolina, operações financeiras e cosméticos. Além disso, fez modificações em normas trabalhistas, entre outras, no seguro-desemprego e vetou a correção da tabela do Imposto de Renda, o que atingiu a classe média. Essas medidas e outras que a oposição chamou de "estelionato eleitoral" - e que teriam sido adotadas por Aécio, caso tivesse vencido a eleição - foram tomadas pelo ministro da Fazenda que ela nomeou, Joaquim Levy, técnico ligado ao mercado financeiro e nem de longe defensor das promessas feitas por Dilma na campanha.

O erro cometido por Dilma no início do segundo mandato, em 2015, é apontado por Paul Krugman: "A resposta do Brasil à recessão foi uma surpresa para mim. Eu não esperava um aperto repentino da política monetária e um movimento brusco em direção à austeridade fiscal".

O economista cita a experiência do Canadá, que enfrentou a mesma crise com a receita clássica: afrouxamento das políticas monetária e fiscal quando a economia se contrai, para evitar perda muito forte do produto, e aperto quando melhora e cresce acima da capacidade, para segurar a inflação. O Brasil, em 2015, andou na contramão - apertou no momento em que a economia se contraía. O discurso que sustentava essa escolha era o seguinte: com a austeridade, a confiança de consumidores e empresários aumentaria, os investimentos voltariam e a atividade e o emprego promoveriam a retomada do crescimento.

Deu errado, como também fracassou política semelhante adotada pela Europa pós-2008. Para enfrentar a crise, a União Europeia impôs aos países-membros rigorosa disciplina fiscal, que agravou a recessão e resultou em "rebeldia" de nações, como a da Itália, fato que pode forjar turbulência numa Europa já desgastada pelo Brexit.

A mesma "fé na confiança" sustenta expectativas da equipe de Bolsonaro - a redução do déficit fiscal por meio de medidas austeras rigorosas deve restaurar a confiança, estimular investimentos e mover a atividade econômica. Esse tipo de confiança, porém, é um sentimento volátil. Esvai-se rapidamente se não for impulsionado com investimento público, financiamento oficial e privado e juros civilizados.

Nada sobre esses impulsos se viu ou ouviu até agora nas propostas e intenções do novo time econômico. Um sinal pouco alentador é a nomeação de Joaquim Levy para a presidência do BNDES, sigla, é bom lembrar, de Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Trata-se, portanto, de uma entidade estatal, fundada há 66 anos e que se caracteriza pela oferta de recursos para promover o crescimento. Economista brilhante, Levy é conhecido como "mão de tesoura", muito habilidoso para cortar despesas e pouco para fazer gastos. Com ele, o BNDES certamente terá atuação discreta e jogará na retranca, como tem feito no governo Michel Temer.

Não se está aqui a dizer que o problema do déficit público não existe. Existe, é grave e precisa ser combatido. O que propõem economistas como Krugman é que o país não tente outra vez liquidá-lo a golpes de machado. É urgentíssimo encontrar uma forma de reduzir o déficit da Previdência Social e do setor público, mas isso só pode funcionar se for feito de forma gradual.

Pode-se argumentar que a recuperação econômica já está a caminho, com avanço do PIB estimado em 1,4% neste ano e 2,5% em 2019. Contra esse argumento vale mencionar John Kenneth Galbraith, economista americano, nascido no Canadá, que se notabilizou, entre outras coisas, por críticas à "sabedoria convencional" dos economistas ortodoxos nos EUA. Em um trecho de seu monumental "A Era da Incerteza", ele diz como a ortodoxia retardou a recuperação americana da Grande Depressão:

"Em 1937, a recuperação da Grande Depressão vinha morosamente a caminho: a produção e os preços subiam, embora o desemprego ainda fosse apavorante. Os homens de 'sensatez' agora já impunham seu valor", escreveu. "Começavam a agir no sentido de reduzir as despesas, aumentar os impostos e equilibrar o orçamento federal. Os poucos keynesianos protestaram; nossas vozes foram abafadas no alarido do aplauso ortodoxo. À medida que o orçamento caminhava para o equilíbrio, a recuperação dava uma parada. Houve então um novo e horrível colapso, uma retração dentro da depressão. Era exatamente como Keynes havia previsto."

Um comentário:

Kleyn Guerreiro disse...

Errado, como todo nacional desenvolvimentista. Dilma baixou juros à fórceps, na linha defendida pelo articulista (e Krugman) e o que houve foi estagflação. Também os subsídios (tentativa anticíclica primitiva) deu com os burros nágua e não geraram nem investimento, nem empregos.
Galbraith é aquele economista que elogiou o bloqueio da poupança feito por Collor.